a Bombinhas em Foco ( 23/09/2017 ) a

Farra-do-boi sob investigação

O Ministério Público de Santa Catarina vai investigar as denúncias de farra-do-boi em Governador Celso Ramos, na Grande Florianópolis. O promotor Aurélio Giacomelli da Silva, da área do meio ambiente, vai apurar se houve a prática e por que ela não foi coibida por policiais que estavam de plantão durante a Páscoa. Silva vai tomar depoimentos de policiais e tentar identificar os farristas.
De acordo com o subchefe de comunicação da Polícia Militar, João Schorne de Amorim, pode ter havido alguma farra-do-boi em algum local da cidade. "A PM não é onipresente. Está nos locais de maior aglomeração. Se a Polícia Militar estiver em um local, elas vão para o outro", declarou.
Segundo Amorim, cerca de 40 policiais trabalharam no fim de semana. Em dias normais, quatro agentes cuidam da cidade. "Temos que ter cuidado. Não é porque havia mil pessoas na praça que vamos ser levianos e dizer que elas estavam cometendo crime e participando da farra-do-boi", opinou Amorin.
O subchefe calcula que neste ano houve 235 registros de farra do boi. Florianópolis teve 49 casos. Depois vem Governador Celso Ramos, com 64. Foram apreendidos 54 bois (44 em Governador Celso Ramos). Também foram detidas 12 pessoas cinco em Navegantes, três em Bombinhas, duas em Itapema, uma em Florianópolis e uma em Porto Belo.
A farra-do-boi em Governador Celso Ramos começou na quinta-feira à noite e foi até o começo da noite do domingo. Conforme os próprios plantonistas da delegacia, havia cerca de mil pessoas a pé ou em uma das 200 motos correndo atrás dos bois até o final da Praia de Ganchos. A farra é considerada crime de acordo com o artigo 32 da lei 9.605, de 1998, que trata de maus-tratos contra animais.



Fonte: A NOTÍCIA (Joinville – SC)

 

 

 

 

 

 

banner

Copyright © 2007 Todos os Direitos Reservados - Fazendo Site